segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

As Mazelas do Brasil: #1 - O Pote de Avelã

Olá, amigos das finanças.

Há muitos anos tenho alguns tópicos separados na cabeça para escrever um livro. Determinados pontos não posso contar até que muitos anos tenham se passado, pois são coisas mais drásticas e graves que presenciei em diversos segmentos e entidades públicas.

A ideia do título "Mazelas do Brasil" é, de forma despretensiosa, narrar alguns acontecimentos que presenciei ao longo da vida, afastando sobremaneira a visão e senso comum de que a culpa do país é dos políticos.

Concordo. Mas parcela de culpa são dos políticos, o resto são dos brasileiros, o jeitinho, o antiético, o esperto.

Coisas simples na vida como em um semáforo duplo, com opção de virar à esquerda ou ir em frente, e você está lá, parado para virar à esquerda na fila e o "esperto" ultrapassa todos pela direita (na faixa de ir em frente) e atravanca o trânsito. Esse é o esperto, ganhou 5 segundos, atrapalhou todos. É disso que trataremos nesse conjunto de ideias.

Mazelas vem de causar dor, ferir, desacreditar.

Pretendo escrever tais posts sem periodicidade definida, provavelmente serão nos dias que estou em baixo-astral, desmotivado e cansado, aproveitarei o momento para uma faxina mental.

No meio do texto, quando oportuno e se condizente, darei pequenas dicas e orientações de empreendedorismo.

Vamos ao primeiro "causo".

O Pote de Avelã


Conforme sabem e expliquei no post de Apresentação, tenho alguns negócios e, dentre eles, tive uma curta experiência no ramo de Franquias - Gênero Alimentício (Fast Food).

Inicio a série com essa postagem, pois foi quando tive meu primeiro choque de realidade (dentro do fast food e não na vida) acerca da desonestidade de alguns trabalhadores.

Todos meus funcionários (que agora devemos chamar de colaboradores...) sempre receberam acima da concorrência, sempre dei refeição no local e cesta básica, sempre permiti exceções e bonificações, enfim, de fato distribuía parte do meu lucro e contribuía para o crescimento familiar e pessoal do colaborador, uma verdadeira porta de oportunidades aos que me cercam.

Dentro da gama de produtos, um determinado prato em nosso cardápio utilizava avelã - a famosa Nutella.



Como o volume de vendas era altíssimo, tínhamos centenas de Potes de Nutella no estoque, compradas diretamente da distribuidora, sendo esse apenas um item de um leque enorme.

A contagem do estoque, dado o volume e impossibilidade de ser feito diariamente, era feito de forma semanal e tomava muitas e muitas horas. Alguns insumos especiais eram controlados diariamente.

O controle era simplificado, basicamente aproveitava o momento para atualizar o Inventário e calcular o CMV - Custo de Mercadoria Vendida.

O CMV é o segredo de um restaurante Fast Food e em qualquer outro negócio (que seria o CPV, o qual entrará em uma outra narrativa de Mazelas).

Quem atua no ramo de alimentos Fast Food, perceberá ao longo do tempo que não se ganha dinheiro com a venda do produto ao consumidor final, mas, sim, "montando" o produto dentro de uma Ficha Técnica perfeita (quantidade de cada produto) e na compra dos insumos com os fornecedores (descontos, bonificações).

Desta forma, na contagem semanal, sempre aproveitava para realizar tais cálculos. Consiste em basicamente saber quanto de produto usou: pegar o Estoque Inicial, somar com as compras da semana  e subtrair o estoque final.

Usualmente é descrito pela fórmula CMV = EI + C - EF

O Estoque Inicial era, logicamente, o estoque final da semana anterior;
As Compras eram controladas pelas entradas no estoque mediante Nota Fiscal;
O Estoque Final era feito pela contagem semanal.

Com essa métrica, era possível estabelecer o custo de cada produto e corrigir eventuais distorções, além de controlar o estoque para evitar furtos.

A apuração do "usado na semana", era feita diretamente pelo Caixa. O sistema registrava a venda de todas as mercadorias. Exemplo: um determinado produto A utilizava 20 gramas de nutella, o produto B, 40 gramas etc com isso pelas vendas realizadas era possível apurar o quantitativo usado na semana.

O sistema emitia um relatório de mercadorias e era possível se ver, por exemplo, que foram utilizados 195 Kg de Nutella, o equivalente a 300 potes de 650 gramas.

A título ilustrativo, se tínhamos 200 Potes em Estoque e compramos 150 na semana, tendo utilizado 300 no mesmo período, obviamente, deveria chegar no fim da semana, dia da contagem, com 50 Potes.

Com isso apurávamos: 

Se a contagem fosse maior, 51 potes, significa que os funcionários colocaram "menos nutella" nos produtos do que deveria; Ponto positivo, pois geraram uma economia de "um pote" de modo a não prejudicar muito o consumidor (se a economia fosse muito grande, o produto perderia qualidade).

Se a contagem fosse menor, 49 potes, significa que os funcionários colocaram "mais nutella" nos produtos do que deveria; Ponto negativo, pois a cada produto vendido, estava causando um prejuízo, portanto, quanto mais vendesse, mais dinheiro ia para o ralo.

Esse é o cenário perfeito.

Nas Mazelas do Brasil, eis o que aconteceu: em determinado período, constatou-se que toda semana havia uma diferença negativa na contagem. Foi realizado reunião, treinamentos e orientações.

Imaginou-se que a "mão do funcionário" estava errada, colocando mais produtos do que deveria. Foi feita uma nova abordagem com adoção de melhores produtos de medição (exemplo: pistolas com trava de quantidade, balanças de precisão etc).

A quantidade utilizada estava perfeita, exatamente com a quantidade vendida. A conclusão, portanto é a que eu estava sendo furtado.

Sinceramente, não conseguia acreditar de como Brasileiros esforçados, buscando oportunidades, pudessem cuspir no prato que comem, mas enfim.

Desgosto à parte, precisava descobrir "como" toda semana sumia o tal do Pote de Nutella.

Extraídas algumas hipóteses, observei que em determinado dia um "colaborador" insistia muito para ser o responsável pela retirada do lixo, serviço chato e que normalmente afasta as pessoas.
Estamos falando de uma lixeira gigante, com kgs e kgs de insumos e produtos.

Só poderia ser esse o responsável pelo sumiço do Pote de Avelã ou alguma outra conduta, pois normal, não era.

Em determinado dia, novamente com a insistência de "eu tiro o lixo...", resolvi eu mesmo tirar o lixo.

Para a surpresa, quando retirei o saco, no fundo da lixeira lá estava o pote....

O tal "colaborador", aproveitava o momento da "troca" do saco de lixo, realizada por ele mesmo, para colocar o pote nos horários de maiores picos. Imaginem uma cozinha com 8~9 pessoas dentro e saindo mais de 10 pedidos por minuto? Loucura total, impossível acompanhar.

Lição aprendida, entre todas as formas de furtar como esconder na mochila, carregar na jaqueta, na bota, no boné, não imaginava que esconderiam um pote na lixeira.

Vejam que a questão não é o "furto do pote", mas a postura, a conduta, a desonestidade. Até porque, se queria tanto um pote, era só pedir e eu dava, como o fiz várias e várias vezes.

Esse episódio me marcou e foi adicionado à minha lista de "Mazelas do Brasil", pois são pequenas coisas desonestas que levam ao fim da nação, não adianta criticar as condutas dos políticos quando a falta de moral e ética reflete-se nas pequenas condutas imorais e ilegais do dia a dia.

Simplesmente não falei nada e no dia seguinte demiti o funcionário.


A título de curiosidade, conforme notícias de revistas especializadas:
77% das empresas registram prejuízos com fraudes abaixo de R$ 1 milhão por ano
R$ 2,2 bilhões são furtados todo ano por funcionários do comércio
R$ 428 é o prejuízo médio por ocorrência de furtos internos
Abraços.

sábado, 3 de fevereiro de 2018

Atualização Mensal: Janeiro 2018: R$ 365.251,48 (+ R$ 21.194,16 )

Olá,
Mais um fechamento mensal, ano voando e eu estou mais cansado do que nunca. Fiz um balanço de 2017 e fiquei com um crédito a receber de 40 a 60 mil reais de diversos clientes inadimplentes, como todos os tributos do período estão pagos, já joguei o valor na conta de perdas e não conto em absolutamente nada com esse dinheiro. Caso receba, ótimo, senão, paciência e seguimos a vida.

Continuo apostando firme nos meus projetos, com retorno sólido. Os gastos aumentaram demais em decorrência de mudanças tributárias da empresa, contratei mais funcionários, entre outros.

Estive tão corrido que só consegui aportar nos últimos dias de janeiro. Aproveitei e já deixei IPVA pagos, seguros pagos e contas pessoais de fevereiro pagas.

O aporte do mês foi acima do objetivo projetado e direcionado para a renda variável.


APORTES

Aportes Renda Fixa: R$ 4.000,00
Aportes Renda Variável: R$ 15.500,00
Aportes totais: R$ 19.500,00
Rendimento: + 047%
Fechamento: R$ 365.251,48



INCREMENTO PASSIVO E DIVIDENDOS


Considerando a diferença da evolução patrimonial com o aporte realizado, tive um ganho de R$ 1.694,16.

Esse mês recebi:

- EGIE3 DIV R$ 21,57
- ODPV3 JSCP R$ 1,43
- FLRY3 JSCP R$ 13,62

- KNRI11 R$ 6,72
- VISC11 R$ 3,05






OPERAÇÕES REALIZADAS 


COMPRAS AÇÕES


  • 100 ABEV3: R$ 2.202,71
  • 100 WEGE3: R$ 2.623,84
  • 58 ITUB3: R$ 2.596, 48
  • 100 LREN3: R$ 3.750,21



COMPRAS FIIs



  • 4 BBPO11: R$ 576,66
  • 3 MFI11: R$ 469,14


Os valores acima estão com custos de liquidação, emolumentos e corretagem. 


COMPOSIÇÃO DOS INVESTIMENTOS (RF e RV): 


Ignorando a renda fixa, e analisando a carteira de ações isoladamente, esse mês tive uma rentabilidade positiva de 0,71% nos papéis que compõem a carteira.

Rentabilidade baixa, pois, conforme mencionei, aportei já nos últimos dias do mês de janeiro. E ainda agravou o fato de HGTX3 ter despencado.



Na proporção, aumentamos para 87/13 entre RF e RV, sendo que a tendência será de crescimento contínuo
em 2018.



CARTEIRA AÇÕES:





Considerando o aumento do número de empresas, reorganizei os percentuais objetivos:





CARTEIRA FIIs:




VALORIZAÇÃO INDIVIDUAL DOS PAPÉIS:


A título de curiosidade, até a presente data, em relação ao meu preço médio, os papéis flutuaram conforme segue:






E dos FIIs:




Continuamos seguindo o tripé: investindo em valor, mantendo as despesas equilibradas, trabalhando para manter/aumentar a renda no curto-médio prazo.

Comprando valor, podemos ganhar no longo prazo. Por exemplo, nesse mês destaco a Moinho Dias (Expliquei nesse post por que comprei MDIA) que comprou a empresa Piraquê, agregando valor e impulsionando o crescimento no Sudeste do país. Não vou alongar nos detalhes da aquisição, pois o colega Além da Poupança já o fez em postagem sobre o "Fato Relevante".

Abraços e até a próxima.


segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Atualização Mensal: Dezembro 2017: R$ 344.057,32 (+ R$ 28.241,52 )

Boa noite e um ótimo 2018 a todos.

Encerrando meus dados de 2017, espero que nesse novo ano consiga manter meus aportes em pelo menos R$ 15.000,00 mensal, se conseguir mais, ótimo.

O ponto da queda é que vou assumir umas contas mensais pesadas daqui para frente. Uma, em outros tipos de investimentos não contabilizados e anotados no blog e duas, com a aquisição de um novo imóvel, que não tenho como deixar de comprar (acho que fevereiro finalizo a compra).

Esse imóvel novo possui um valor elevado, então deve consumir boa parte de minha renda mensal com o financiamento e para mobiliar.
O financiamento devo fazer em 15 anos, para quitar em 3 a 4 anos.

Se meus aportes se confirmarem superiores aos 15 mil mensal, mesmo com o aumento de despesa e conseguindo pagar 5 anos do imóvel em 1, em dezembro vou me presentear com uma máquina de mais de 700 cavalos, cujo valor de compra não onerará o patrimônio financeiro do blog, será adquirido com alguma reserva separada que irei montar.

Isso só será possível se minhas previsões de aumento de receita se confirmarem, então, já começo a trabalhar hoje mesmo.

Quanto ao fechamento de dezembro:

APORTES

Aportes Renda Fixa: R$ 19.015,46
Aportes Renda Variável: R$ 6.000,00
Aportes totais: R$ 25.015,46
Rendimento: + 0,95%
Fechamento: R$ 344.057,32


Comecei a aportar mais na renda variável, reforçando a carteira de ações e iniciando minha carteira de FII.


INCREMENTO PASSIVO E DIVIDENDOS


Considerando a diferença da evolução patrimonial com o aporte realizado, tive um ganho de R$ 3.226,06.

Esse mês recebi:


- ABEV3 JSCP R$ 18,45
- EZTC3 DIV R$ 355,11
- HGTX3 JSCP R$ 7,28
- RADL3 JSCP R$ 2,06
- ODPV3 DIV R$ 4,53
- PARD3 JSCP R$ 2,73




OPERAÇÕES REALIZADAS 


COMPRAS AÇÕES


  • 30 MDIA3: R$ 1.484,67
  • 60 GRND3: R$ 1.550,60
  • 38 HGTX3: R$ 1.007,22
  • 30 ODPV3: R$ 463,14


COMPRAS FIIs



  • 6 KNRI11: R$ 1.014,31
  • 5 VISC11: R$ 509,66


Os valores acima estão com custos de liquidação, emolumentos e corretagem. 

Conforme mencionei na postagem anterior, embora não comprei, acompanhei o IPO do Burger King... que decepção. Balanços péssimos, empresa só da prejuízo, custos elevados, margens péssimas, despesas pesadíssimas, entre outros aspectos que não se enquadram nos meus critérios.

Pode ser que um dia, com muito investimento e muitas novas lojas abertas, os números fiquem bons, mas, hoje, estou fora e continuo afastado do segmento.

Só serviu para reforçar meu pensamento de ficar bem longe de IPO.


COMPOSIÇÃO DOS INVESTIMENTOS (RF e RV): 


Ignorando a renda fixa, e analisando a carteira de ações isoladamente, esse mês tive uma rentabilidade positiva de 6,18% nos papéis que compõem a carteira.

Além disso, fecho o ano com uma valorização na renda variável de 16,80%.

Na proporção, aumentamos para 91/9 entre RF e RV, sendo que a tendência será de crescimento maior em 2018.





CARTEIRA AÇÕES:









CARTEIRA FIIs:




VALORIZAÇÃO INDIVIDUAL DOS PAPÉIS:


A título de curiosidade, até a presente data, em relação ao meu preço médio, os papéis flutuaram conforme segue:




E dos FIIs:



Referente à minha carteira projetada de FII, estou estudando novamente.
Nosso colega Sequoia fez uma boa análise sobre o assunto, o que acabou me auxiliando a aprofundar e nortear meus estudos, então vou checar com mais calma os fundos que havia escolhido para tomar uma decisão mais racional.

No mais, desejo um excelente anos a todos e que consigamos alcançar nossos objetivos e sonhos.



Abraços e até a próxima.

domingo, 3 de dezembro de 2017

Atualização Mensal: Novembro 2017: R$ 315.815,80 (+ R$ 23.060,00 )

Boa noite,
Caminhamos para o último mês do ano, até que enfim.
Agora começam aquelas chatices de festas familiares, sorrisos falsos, parentes que não se gostam e a mesma ladainha de sempre.

Em novembro, nada de novo no front. Continuo trabalhando muito, absurdamente. Estou dedicando no lançamento de um novo produto meu, o que me toma muito tempo.

Quando eu vou por algo no mercado, eu faço o processo inverso (acredito).
Primeiro, detecto um problema. Depois, penso numa solução.
Então, eu saio "vendendo" como se a solução já estivesse pronta, apenas "em testes em alguns clientes, amadurecendo e em breve vamos soltar para todos no mercado".

Com isso, sem que eu tenha nada, sequer um MVP (produto mínimo viável) eu já captei a demanda do mercado. Senão tiver demanda, dou um jeito de criar uma.

Depois de "encantar" eventuais interessados, saio igual um louco ajustando tudo para criar o produto/solução.
Fazendo desse jeito consigo minimizar o stress de criar um MVP e o mercado não aceitar.

Se a coisa realmente vingar na demanda que estou prevendo, acredito que junho para a frente meus aportes devem dobrar/triplicar, mas não vou contar com isso, sempre pé no chão e realista.

APORTES

Aportes Renda Fixa: R$ 21.000,00
Aportes Renda Variável: R$ 2.060,00
Aportes totais: R$ 23.060,00
Rendimento: - 0,07
Fechamento: R$ 315.815,80

Esse mês de novembro a rentabilidade foi ridícula, nem me importei, pois estou na fase de criar o bolo e meus aportes ainda são consideráveis frente o patrimônio financeiro líquido.
O que me irritou foi o tal do "come-cotas" em novembro.

Comecei a separar alguns FIIs para estudo e depois de fevereiro/março, vou começar a redirecionar meus
aportes para a RV (70 a 75% ações e 25 a 30% FII).

Perda fixa já cansou.




INCREMENTO PASSIVO E DIVIDENDOS


Considerando a diferença da evolução patrimonial com o aporte realizado, tive uma perda de R$ 218,72.
Vejam a merda que é "perda fixa". Além de não render nada nessa época de juros baixos, ainda perdi dinheiro (por causa do lixo do come-cotas, afinal, tenho que pagar um imposto que venceria daqui 2 anos adiantado, obrigado, de novo, Estado).

Esse mês também recebi:

- GRND3 DIV R$ 20,77




OPERAÇÕES REALIZADAS (COMPRAS BOLSA)

  • 14 EGIE3: R$ 515,34
  • 14 PARD3: R$ 431,34
  • 13 PSSA3: R$ 487,76
  • 100 PTBL3: R$ 567,00

Os valores acima estão com custos de liquidação, emolumentos e corretagem. 

As microcaps PARD e PTBL são como se fossem uma carteira à parte, achei as empresas boas, segmentos interessantes, o porém é que são extremamente novas na bolsa (IPO recente), mas como será alocado no máximo 2% a essas empresas, não deve impactar quase nada.

Outra que vou acompanhar (mas não comprar por enquanto) é o IPO do Burger King.


COMPOSIÇÃO DOS INVESTIMENTOS (RF e RV): 


Ignorando a renda fixa, e analisando a carteira de ações isoladamente, esse mês tive uma rentabilidade negativa de 0,84% nos papéis que compõem a carteira

Na proporção, permanece para 93/7 entre RF e RV.




CARTEIRA AÇÕES:



VALORIZAÇÃO INDIVIDUAL DOS PAPÉIS:


A título de curiosidade, até a presente data, em relação ao meu preço médio, os papéis flutuaram conforme segue:





FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIOS (FII)


Dos FIIs, separei os seguintes:
  • KNRI11
  • HGLG11
  • KNCR11
  • HGRE11
  • FFCI11
  • GGRC11
  • VISC11
  • PQDP11
  • VRTA11
  • HGBS11
  • BRCR11

Fiz uma análise meia preguiçosa, estou meio tacando o foda-se, só me atentei se algum está desinvestindo ou mono-inquilino.
Antes de comprar, vejo com mais calma.


EXTRAVAGÂNCIA DO MÊS


Exagerei esse mês e comprei (e comi) muita carne saborosa.
Comprei vários tipos de cortes Wagyu e Angus, testei fazer de várias formas.

Para quem não conhece, Wagyu são aqueles bois pretos que recebem massagem e vivem ouvindo ópera, são de origem japonesa.



O Angus também, que possui a vertente Aberdeen ou Red, do Reino Unido.





O que muda nessas carnes é o tal do "marmoreio", a gordura entremeada no meio da carne, que derrete e deixa ela extremamente suculenta.

Vejam o marmoreio da carne.


O Coxão duro desses bois é bem melhor que qualquer picanha por aí.




A depender da origem e forma de criação do boi, a picanha ou o ancho tem valores de R$ 558,00 o kg.
As que eu compro são consideradas de criação "mais simples", aí o preço varia de 44,90 (o coxão duro) a mais ou menos uns 69,90 (shoulder wagyu).

Para quem nunca comeu, vale a pena experimentar.

No fim, engordei mais 6kg esse mês, preciso urgente me controlar, voltar a atividades físicas e pegar umas dicas com o Maromba Investidor.

Abraços e até a próxima.